Relato de caso: os benefícios dos nosódios

O aluno Fábio D. Christovam está se tratando com homeopatia há quase 10 anos, depois de um histórico de Linfoma de Hodgckin e do tratamento de rádio e quimioterapia, muito agressivo. Começou
experimentando o método “Kentiano”, orientado por uma médica americana e, nas palavras de Fábio,”experimentei em “loco” os “coices de búfalo”. No entanto, foi durante o curso de homeopatia, com a metodologia de ensino de prof. Eliete MM Fagundes, iniciado no ano de 2018, que Fábio iniciou o tratamento com os nosódios. Segundo ele, com a orientação dos professores do curso, os nosódios o permitiram também resolver um problema de hipotiroidismo com grande sucesso. 

Acompanhe na íntegra o relato do aluno:

“O método de seleção foi por repertorização matemática achando o simillimum e o
miasmático em separado, usando o miasmático quando este acompanhava o simillimum
pela soma total dos pontos e pela soma na quantidade dos sintomas elegidos.
Em geral, experimentei o miasmático de noite e usando o simillimum de dia. Como,
no meu caso, venho de um quadro onde a questão da “vitalidade” foi muito comprometida,
houve fases que usei o método da “Tri-una” de Roberto Costa, adicionando o meu remédio constitucional, ao meio dia. Neste ano inicie, trocando o constitucional por
drenadores. Houve momentos que não foi preciso”.

Experiência com o nosódio “1”

“Quadro anterior mental: principalmente no mental: ansiedade, falta de foco,
pensamento como se um “macaco irrequieto pulasse de galho em galho”. Esta é uma
metáfora budista. O curioso aqui é que há 22 anos pratico meditação em uma escola
tradicional da linha tibetana. Ou pelo menos eu achava que meditava. Mas que tentava,
tentava e tentava muito, e insistentemente e de tanto tentar… até que realizei alguma coisa,
não sem pouca correção e esforço dos meus professores. Sabe “aquele pior aluno da
turma?”. Pois é… era eu (sem falsa modéstia ou minusvalia).
Quando tomei o nosódio “1”, por 28 dias, meu quadro mental agravou em ansiedade.
Não sei bem o que aconteceu quanto ao foco, mas acho que ficou pior. Eu coçava, coçava
e … só me lembro que coçava. Era uma “coceira que vinha de dentro”. Parecia queimar.
Saiu poucas pústulas, bem pequenas, vermelhas, que “ardiam”. Não houve uma grande
exoneração. Mas coçavam e coçavam. Não consegui fazer grandes práticas meditativas
nesse mês. Fiquei irritado. E as semanas foram passando. A primeira semana foi a pior.
Depois de 15 min. que tomei a primeira dose. Tenho isso bem vívido na mente.
No final da 3a semana, a coisa começou a melhorar. Hoje eu penso, “poderia ter
diluído, poderia ter feito assim e assado”… mas na época… foi um medicamento que após
3 dias de experimentação (baseado na repertorização e não pela vontade própria), comecei
literalmente a “contar os dias para terminar”. Após o término com grande alívio, a coceira passou em 3 dias. A mente que já começou a ficar mais “calma”, mais “assentada”, ficou clara. A “concentração” ficou
“afiada”. A prática da meditação melhorou muito em estabilidade e o “ruminar” mental
“assentou”, diminuiu. Não, não me iluminei, mas tenho fé, (e confesso que oro para) que
pelas bençãos dos seres iluminados, de qualquer linhagem, (para que) o nosódio 1 não
retornou(e), “por enquanto” no processo de seleção pela repertorização.”

Experiência com o nosódio “2”

“Quadro mental na época: Na época estava fazendo além do curso de homeopatia, um
curso de formação de professores de História. Estava cheio de trabalhos, preocupado,
constipado, ansioso. Tinha aqueles “ataques noturnos à geladeira por ansiedade”.
Principalmente quando precisava fazer longos trabalhos do curso noite adentro.
Estava muito curioso de experimentar este medicamento (diferente do “1”),
incentivado na época por uma aula com a professora Emília. Porém, nos processos de
repertorização, outros medicamentos entravam… até que por meados de julho do ano de
2018, deu o “2”na repertorização.
Tomei…O processo de constipação intestinal melhorou muito. Só que a mente… “soltou”
(deixou ir…) … foi soltando… foi soltando apegos, desapegou-se… Foi soltando…
processos e trabalhos que antes fazia até o esgotamento, perfeccionismos….
Hoje, quando conversei com um colega do curso sobre o tema do trabalho, que estou
entregando atrasado, diga-se de passagem, comentei que quando tomei o “2”,
quase virei Hippie de Woodstock… porque na medida que o tempo passava, fui
“relaxando”… “ipsis literis”, em tudo. No trabalho, nas tarefas, na casa… Precisei fazer
“esforço” para entregar os trabalhos do semestre (inclusive de homeopatia). Coisa que
seria fácil anteriormente.
Na medida que as semanas passavam, a mente foi ficando mais clara, mais calma.
Medos foram resolvidos, saúde, futuro, fracasso, cobranças “internas”… Ansiedade
praticamente… “desapareceu” nesse período… e isso foi um pouco preocupante… e ali
está a metáfora do Hippie de Woodstock…, porque comecei a não “me importar tanto com
o trabalho”.
Após o término do medicamento, pouco a pouco o exagero em “soltar, abandonar” as
coisas foram se assentando. É um medicamento que tenho vontade de experimentar
novamente. Porém vou esperar pela sua indicação na repertorização”.

Experiência com o nosódio “3”

“Com certeza um dos medicamentos que mais me “libertou” das minhas neuroses e
medos. Libertação é a palavra para definir sua experimentação. Repeti em outras
potências, com absoluta tranquilidade, sem grande agravação sentida. O
efeito no mental foi a libertação da ilusão da perfeição. Da auto exigência extrema. Do
perfeccionismo na entrega dos trabalhos. Do sentimento de culpa. Da limitação por medo
em entregar as coisas… da melhoria da auto-confiança. De “relaxar” um pouco, mais
equilibrado que o que o ‘2’ me proporcionou; nesse relaxar em “soltar” as coisas e não ficar tão apegado
ao resultado, ou com a expectativa desse resultado.
Equilíbrio… (se é que isso é possível na natureza, ultimamente estou refletindo
filosoficamente se um corpo tende ao equilíbrio, ou a mudança… estou mais propenso à
mudança, é um processo de reflexão que segue…). Um corpo saudável tende a
homeostase… porém em um corpo que passou por uma terapia de quimio e rádio tão
agressiva, não sei se isso é possível… sem a ajuda da homeopatia e de um longo processo.
Ambos, porém… tendem a mudança inexorável do tempo. Equilíbrio foi uma palavra
importante para esse medicamento.  Este medicamento fez milagres. (N. do Al).

Tomei o “3” nos últimos meses de 2018 e início de 2019. Depois disso, os remédios
miasmáticos mudaram com índices matemáticos bem superiores.
Por esse motivo, o “3”foi suspenso temporariamente.
Sensação mental, reorganização mental. Equilíbrio. Disposição física melhorou muito.
Foi o medicamento que mais senti no físico, com a etiqueta: “bem estar”. O “1” me
deixou irritado, o “2”um Hippie…”, porém, o “3” equilibrou.
Sinto que num futuro breve voltaremos a nos encontrar”.