RESPOSTA À NOTA DA AMHB SOBRE HOMEOPATAS NÃO MÉDICOS

Prezados Homeopatas e usuários da homeopatia,
Vemos mais uma manifestação da classe médica a fim de nos intimidar enquanto homeopatas.
O que eles estão tentando dizer é que além dos homeopatas, todos os demais profissionais da saúde que estão incluídos na Portaria 1988, de 2018, estão ilegais enquanto prescritores.
Como homeopatas, não fazemos diagnóstico e, por isso, não caracteriza ato médico.
O gestor da saúde pública definirá quem irá contratar, mas, independentemente disso, temos nossos direitos que foi reconhecido pelos próprios médicos nesta nota arbitrária da AMHB. Além disso, o CBO não descreve a nossa família de homeopatas separada da classe de Terapeuta Holístico por simples questões de organização do Ministério do Trabalho.
Temos também jurisprudências que nos deixam claro que podemos praticar. Então, o corporativismo médico aceita que todos possam conhecer, mas não prescrever? Admite que centenas de remédios homeopáticos podem ser adquiridos livremente, mas os homeopatas não médicos não podem prescrevê-los? No mínimo uma grande arbitrariedade e é por isso que ganhamos na justiça quando algum conselho médico tenta nos impedir de praticar a mesma homeopatia praticada desde a época do Império no Brasil. Só para constar, nessa época, a Academia Imperial de Medicina rechaçou a prática homeopática e marginalizou os médicos que a queriam praticar. Por que somente agora, na década de 80, o CFM resolveu acolher a homeopatia? Acolher é um ponto positivo, no entanto, não é justo querer impedir que os homeopatas que sempre praticaram deixem de praticar.
Sobre as nossas jurisprudências, vejam aqui 
Em relação aos Farmacêuticos, a AMHB também “deixa o recado”, pois não os incluem como prescritores. É mais uma clara tentativa de confundir a opinião pública com esses argumentos.
Um desserviço ao invés do serviço à população que pretendem alcançar.
Um dos segredos é manter a linha coesa da homeopatia de Hahnemann sem interferências de linhas acessórias na prescrição porque disso depende o sucesso nos tratamentos e, assim, devemos seguir com ética os ensinamentos de Hahnemann.
Um abraço a todos e sigamos em frente.
Prof. Dra. Eliete M M Fagundes – Presidente do ITH/Homeobrás